Ações de Monitorização

 

  • Instalação de transetos (Ação D1)

Na primavera de 2018, a equipa da flora da Universidade de Évora deu início ao processo de monitorização do impacto das ações de gestão que serão implementadas no Life-Relict.

    

Para isso, instalou um conjunto alargado de transetos permanentes, onde a vegetação será analisada. Estes permitirão avaliar a evolução da vegetação após a implementação das medidas de gestão previstas. Especificamente, a monitorização será feita através da comparação entre a situação ante-projeto e a situação após-intervenção. Os transetos serão instalados em todas as três áreas LIFE (Estrela, Margaraça e Monchique). No total serão instalados mais de 50 transetos que serão avaliados todos os anos na primavera e no Outono.

 

 

  • Inventários (Ação D1)

A equipa da Universidade de Évora procedeu à primeira inventariação das espécies florísticas ao longo de todos os transetos na primavera de 2018. A lista de espécies compilada e a respetiva área ocupada é revista todos os anos e servirá para monitorizar o desenvolvimento da implementação das medidas de gestão ao longo do projeto.

  

 

 

  • Recolha de amostras de solo (Ação D1)

A recolha de amostras de solo foi feita ao longo dos transetos instalados em 3 pontos diferentes e em profundidades diferentes. Assim será possível determinar a composição e textura (qualidade do solo) antes de iniciar as intervenções no terreno. Após a implementação das medidas de gestão previstas, serão recolhidas novas amostras nos mesmos transetos para que se possam fazer uma comparação entre amostras.

Numa primeira análise podemos observar as diferenças entre amostras pela cor sendo que as mais escuras têm mais matéria orgânica do que as mais claras e por conseguinte são as amostras recolhidas à superfície.

   

   

 

  • Primeira caraterização socioeconómica das áreas de intervenção (Ação D2)

Procedeu-se à primeira caracterização sócio-económica dos territórios abrangidos pelo Life-Relict de forma a melhor compreender a relação que as populações locais têm com o habitat-alvo de conservação deste projeto. Para tal, foram utilizados inquéritos por questionário para aferir o grau de conhecimento da população local acerca de um conjunto de conceitos relacionados com o Life-Relict numa fase inicial do projeto (2018). Os resultados preliminares já foram apresentados em vários congressos e seminários científicos, em formato de comunicações orais e uma comunicação em poster, como ilustra a imagem seguinte.

 

  • Caraterização dos serviços do ecossistema nas áreas de intervenção (Ação D3)

Vários são os parâmetros ecológicos, sociológicos e económicos que estão a ser monitorizados para se poder calcular os serviços do ecossistema dentro das áreas de intervenção do projeto. A metodologia utilizada está a permitir calcular os benefícios do ecossistema e identificar os beneficiários, quer na situação atual do habitat, ou seja sem intervenções de melhoria, e numa situação alternativa, ou seja, numa situação pós-projeto onde o estado de conservação foi melhorado.

Muito se irá escrever sobre esta temática brevemente!

 

 

 

 

 

 

Fonte: WWF Living Planet Report 2016