Ações do Projeto

AÇÕES DE CONSERVAÇÃO

As ações concretas de conservação do Life-Relict pretendem melhorar o estado de conservação e a função ecológica das relíquias da Laurissilva Continental. Com a implementação destas ações de conservação, prevê-se aumentar a área de ocorrência do habitat através do restauro de áreas adjacentes favoráveis, diminuir o impacto das principais ameaças à sua conservação e demonstrar metodologias e abordagens inovadoras para a correta gestão.

AÇÃO C.1 – Recolha e Propagação de Material Vegetativo

Esta ação pretende recolher e propagar o material vegetal necessário ao incremento e melhoria do estado de conservação das áreas de habitat alvo do projeto Life-Relict e servirão para a correta execução das ações seguintes de conservação, nomeadamente C2, C3, C4, C5 e C7. Neste sentido, irão ser recolhidas sementes de plantas autóctones caracteristicas destas comunidades de Relíquias da Laurissilva Continental em todas as áreas de intervenção do projeto.

AÇÃO C.2 – Melhoria do Estado de Conservação das Áreas Efetivas de Azereiros 

Nesta ação serão executadas várias medidas de gestão, divididas em sub-ações que pretendem melhorar o estado de conservação das manchas já existentes de Azereirais (Prunus lusitanica subsp. lusitanicapertencentes ao habitat 5230*.  Este conjunto de intervenções no terreno irão permitir o melhoramento do estado de conservação do habitat alvo de conservação do Life-Relict e, simultâneamente, irão reduzir o risco de incêndio sendo esta uma das maiores ameaças que o habitat enfrenta atualmente.

Sub-ação C.2.1 – Recuperação dos Caudais de Alimentação do Núcleo de Azereiros

As comunidades de Azereiros são favorecidas pela presença de alguma água e, consequentemente, para a sua preservação é necessário restabelecer os caudais de levadas, canais de condução de água. Para se conseguir alcançar este objetivo, será realizada a recuperação de uma levada de regadio tradicional já existente, que outrora alimentou o núcleo, mas que atualmente se encontra em mau estado de conservação.

Sub-ação C.2.2 – Controlo Seletivo da Vegetação

Será feito um controlo seletivo da vegetação com corte de espécies heliófilas (que gostam de muita luz) presentes nas áreas de intervenção do projeto. Esta ação pretende controlar a competição, favorecendo o crescimento e a propagação do P. lusitanica e, simultaneamente, diminuir a propagação e risco de incêndio dentro das áreas do habitat.

Sub-ação C.2.3 – Melhoria da Estrutura do Habitat

As manchas de habitat mais degradadas e com baixa cobertura de espécies características do habitat 5230* serão reforçadas através de plantações, com recurso às plantas propagadas na Ação C1. Neste sentido, esta ação pretende melhorar e reforçar a estrutura das relíquias da Laurissilva Continental nas áreas de intervenção do projeto.

AÇÃO C.3 – Melhoria do estado de conservação das áreas efetivas de Adelfeiras 

Nesta ação serão executadas várias medidas de gestão, divididas em sub-ações, que pretendem melhorar o estado de conservação das manchas já existentes de Adelfeirais, (Rhododendron ponticum subsp. baeticum) pertencentes ao habitat 5230*. Este conjunto de intervenções no terreno irão permitir o melhoramento do estado de conservação do habitat alvo de conservação do Life-Relict e, simultâneamente, irão reduzir o risco de incêndio sendo esta uma das maiores ameaças que o habitat enfrenta atualmente.

Sub-ação C.3.1 – Controlo seletivo da vegetação

Será feito um controlo seletivo da vegetação, nos moldes já referidos na sub-ação C2.2, com corte de espécies heliófilas (que gostam de muita luz) presentes nas áreas de intervenção do projeto.Esta ação pretende controlar a competição, favorecendo o crescimento e a propagação do R. ponticum e, simultaneamente, diminuir a propagação e risco de incêndio dentro das áreas do habitat.

Sub-ação C.3.2 – Melhoria da estrutura do habitat, através de plantações dirigidas.

As manchas de habitat mais degradadas e com baixa cobertura de espécies características do habitat serão reforçadas através de plantações, como já descrito na ação C.2.3. Estas serão sobretudo de R. ponticum mas também de outras espécies características do habitat 5230*. Neste sentido, esta ação pretende melhorar e reforçar a estrutura das relíquias da Laurissilva Continental nas áreas de intervenção do projeto.

AÇÃO C.4 – Incremento da área de habitat de Azereiros

Através de um conjunto de sub-ações, pretende-se expandir significativamente as áreas de ocorrência de azereiro, fomentando o seu restabelecimento nas áreas potenciais de ocorrência natural. Esta ação permitirá incrementar a área efetiva de ocorrência do habitat 5230*, que segundo o 3º Relatório Nacional de Aplicação da Diretiva Habitats (2007-2012) é “desfavorável” em Portugal. Do ponto de vista da conservação, esta medida é importante para as comunidades de P. lusitanica, devido à fragmentação, fraca representatividade e estado de degradação em que se encontram atualmente na Península Ibérica, com reduzidas possibilidades de expansão.

Sub-ação C.4.1 – Controlo seletivo da vegetação

Será feito um controlo seletivo da vegetação com corte de espécies heliófilas (que gostam de muita luz), presentes nos territórios potenciais de ocorrência do habitat. Tal permitirá fomentar as espécies caracteristicas deste bosque e, simultaneamente, diminuir a propagação e risco de incêndio no território. As intervenções serão feitas salvaguardando a proteção do solo e a regeneração natural de espécies arbóreas ou de espécies características das comunidades-alvo.

Sub-ação C4.2 – Plantações

A expansão dos núcleos  de Azereiros será feita com recurso a plantação, nos moldes já descritos para a sub-ação C.2.3.

Sub-ação C4.3. – Controlo das espécies exóticas não invasoras

Serão implementadas medidas de controlo de espécies exóticas não invasoras, de forma a melhorar o estado de conservação do habitat localmente. Assim, serão removidos pinheiros e eucaliptos existentes nas áreas de intervenção do projeto.

AÇÃO C.5 – Incremento da área de habitat de Adelfeiras

À semelhança da ação C4, esta ação pretende-se expandir significativamente as áreas de ocorrência de Adelfeiras, fomentando o seu restabelecimento nas áreas potenciais de ocorrência, através de um conjunto de sub-ações. Esta ação permitirá incrementar a área efetiva de ocorrência do habitat 5230*, que segundo o 3º Relatório Nacional de Aplicação da Diretiva Habitats (2007-2012) é “desfavorável” em Portugal. Do ponto de vista da conservação, esta medida é especialmente importante para as comunidades de R. ponticum uma vez que, como referido no capítulo das ameaças, se encontram em risco devido à alarmante incapacidade de instalação de plantas de origem seminal.

Sub-ação C.5.1 – Controlo seletivo da vegetação

Será feito um controlo seletivo da vegetação nos mesmos moldes já descritos para a sub-ação C.4.1.

Sub-ação C5.2 – Plantações

A expansão dos núcleos de Adelfeiras será feita com recurso a plantações, nos moldes já descritos para a sub-ação C.2.3.

Sub-ação C5.3 – Controlo das espécies exóticas não invasoras

Serão implementadas medidas de controlo de espécies exóticas não invasoras, de forma a melhorar o estado de conservação do habitat localmente, à semelhança da ação C.4.3.

AÇÃO C.6 – Controlo de espécies exóticas invasoras

Em algumas áreas de intervenção do projeto verifica-se a presença de uma superfície onde ocorrem duas espécies com grande poder invasor, nomeadamente, a Acacia dealbata e a Hakea sericea. Dada a ameaça que estes núcleos constituem para a preservação do habitat 5230*, esta ação pretende implementar medidas de controlo destas espécies exóticas invasoras.

AÇÃO C.7 – Diminuição do risco de incêndio

Esta ação possibilitará a redução do risco e velocidade de propagação de incêndios florestais nas áreas adjacentes aos núcleos do Habitat, reduzindo a probabilidade dos mesmos serem alcançados, através de um conjunto de sub-ações. Serão adotadas medidas que fomentem a compartimentação da paisagem e a criação de áreas tampão. Para isso serão melhoradas e incrementadas comunidades vegetais de folhosas que, como é reconhecido, retardam a propagação do fogo. Para alcançar este objetivo serão beneficiadas as áreas envolventes ao habitat através das seguintes sub-ações:

Sub-ação C7.1 – Recuperação e limpeza de caminhos de acesso à área de estudo

As áreas localizadas na Serra da Estrela, encontram-se em vales encaixados, de difícil acesso, cujos caminhos pedonais se encontram, na sua maioria cobertos de matos heliófilos. Assim, para ser possível a implementação desta ação, bem como de outras, será feita a limpeza e recuperação de acessos. Esta intervenção permitirá ainda reduzir a propagação de possíveis incêndios, possibilitando um acesso mais facilitado de bombeiros a estas áreas. Inclui apenas beneficiações simples de limpeza de caminhos já existentes e de uso comum.

Sub-ação C7.2 – Controlo seletivo da vegetação

Corte seletivo da vegetação de forma a potenciar as espécies características de bosque. Esta ação será feita com o mesmo modelo adotado na Ação C2 (sub-ação C2.2). Será sempre mantida e acautelada toda a regeneração natural de espécies arbóreas autóctones.

Sub-ação C7.3 – Plantações dirigidas

Pretende-se fazer um incremento das áreas de carvalhal adjacentes ao habitat, através de, por exemplo, beneficiação da regeneração natural de espécies arbóreas ou arbustivas pertencentes aos carvalhais; plantação de folhosas (Quercus spp.) e de outras espécies características e propagadas na ação C1. As plantações seguirão os mesmos moldes das plantações previstas para a ação C2 e C3.

Sub-ação C7.4 – Controlo das espécies exóticas não invasoras

Serão implementadas medidas de controlo de espécies exóticas nos moldes já descritos na sub-ação C4.3.

Sub-ação C7.5 – Melhoria de castinçal

Em Monchique numa área onde existe uma plantação de castanheiros para fins de exploração da madeira (castinçal) será feita gestão seletiva do coberto vegetal tendo em vista a melhoria do habitat de modo a aumentar a resiliência aos incêndios florestais.

AÇÕES DE MONITORIZAÇÃO

As ações de monitorização do Life-Relict são fundamentais para o bom funcionamento do projeto pois permite avaliar o impacto das ações de conservação e sensibilização, assim como encontrar erros passíveis de serem corrigidos ao longo do projeto.

AÇÃO D.1 – Monitorização e avaliação das ações “C” do projeto

Será avaliada a eficácia das ações de projeto através da sua monitorização desde a pré-implementação até ao seu final.

AÇÃO D.2 – Monitorização do impacto socioeconómico

Esta ação permitirá conhecer melhor socioeconomicamente os territórios onde se enquadra o habitat 5230*, através de uma análise integrada e holistica tendo sempre em vista a avaliação do impacte na conservação do habitat no futuro. Por outro lado, é ainda imprescindível monitorizar o impacte efectivo das ações de sensibilização e educação ambiental na população portuguesa.

AÇÃO D.3 – Monitorização do impacto do projeto na função dos ecossistemas

Nesta ação será avaliada e monitorizada a função dos ecossistemas dentro das áreas de intervenção do projeto.

AÇÃO D.4 – Monitorização do custo/eficiência das ações do projeto

Nesta ação pretende-se fazer uma avaliação e ponderação entre os custos e a eficiência das principais ações deste projeto, ou seja, das ações concretas de conservação. Esta permitirá comparar os custos totais das ações com o total dos benefícios auferidos, assim como detectar e sinalizar comportamentos que tornem os trabalhos de gestão mais eficientes.

AÇÃO D.5 – Monitorização e avaliação dos indicadores de performance do projeto

Esta é uma ação que pretende monitorizar e avaliar uma série de indicadores de performance das ações implementadas. É uma ação de extrema importância, pois contribui, de forma clara e direta, para a avaliação global do impacto deste projeto, tanto ao nível da conservação da natureza, como ao nível social e económico.

AÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO

AÇÃO E.1 – Divulgação do projeto ao público em geral

Esta ação visa divulgar o Life-Relict, bem como os habitats e a RN2000, ao público em geral. Esta ação é extremamente importante, uma vez que permitirá sensibilizar as populações locais, visitantes e todos os interessados em matérias do ambiente, para a necessidade de preservação deste habitat, contribuindo indiretamente para a sua preservação futura. Espera-se que esta ação permite mudar comportamentos sociais e minimizar algumas das ameaças a eles associados (como o risco de incêndio, recolha indevida de exemplares, entre outros).

AÇÃO E.2 – Comunicação e turismo de natureza

Esta ação contempla a divulgação do projeto e o fomento do ecoturismo. Assim, as várias atividades darão a conhecer a importância da conservação deste tipo de vegetação, aumentando a sensibilização social para a necessidade da sua preservação e do valor histórico e natural que representam. Este conhecimento é fundamental para incutir na sociedade um papel protetor dos seus valores naturais e sentimento de pertença. Também pretende contribuir para a criação de estruturas e materiais de apoio ao turismo de natureza, indispensável para o desenvolvimento socioeconómico sustentável destas regiões interiores.

AÇÃO E.3 – Sensibilização e educação ambiental

A informação correta e a sensibilização da população para a conservação deste património natural é fundamental para a sua preservação futura. Neste sentido, o Life-Relict prevê o desenvolvimento de ações dirigidas tanto à comunidade escolar dos concelhos alvo, como à população local.

AÇÃO E.4 – Divulgação científica do projeto

A divulgação científica do projeto é fundamental e mesmo imprescindível para a divulgação das metodologias utilizadas e dos resultados obtidos pelo que esta ação pretende desenvolver várias atividades que irão promover a divulgação científica do projeto.

AÇÃO E.5 – Esforços de replicação e ações em rede com outros projetos

Nesta ação pretende-se estabelecer contactos quer com outros projetos nacionais ou internacionais, quer com entidades que possam vir a ter interesse na replicação das medidas de gestão validada no decorrer do presente projeto.