Ações do Projeto

Ações Preparatórias

As ações preparatórias do LIFE-Relict pretendem reunir toda a informação necessária para se poder planificar adequadamente e executar eficientemente todas as intervenções no terreno que resultarão das ações concretas de conservação (Ações C). Neste sentido, foram definidas três ações preparações que servirão como ferramentas basilares para a correta planificação e desenvolvimento das ações de conservação sendo por isso fundamentais para o bom funcionamento do projeto.

Ação A.1 – Atualização da situação de referência

Para atualizar a situação de referência, será reunida toda a informação disponível, nomeadamente, informação relativa às particularidades biofísicas dos territórios a intervir, informações sobre o uso do solo bem como a identificação dos proprietários destes terrenos. A recolha de toda esta informação é fundamental para um melhor conhecimento do território, pois permitirá colmatar a informação em falta e ajudará a definir e adequar todas as opções e ações concretas de conservação.

Ação A.2 – Elaboração de um plano operacional

Com base na informação recolhida na ação anterior (Ação A1), será concebido um Plano Operacional para as áreas de intervenção. Este plano definirá e formalizará detalhadamente os procedimentos a seguir em cada uma das áreas de intervenção. De acordo com os objetivos e ações delineadas para o projeto, serão acertadas metodologias, localizações específicas de intervenção e definido um cronograma pormenorizado.

Ação A.3 – Avaliação da capacidade de regeneração da Adelfeira 

Face à falta de conhecimento científico sobre a capacidade de regeneração natural das comunidades de R. ponticum subsp. baeticum nas áreas de ocorrência em Portugal, será feito um estudo prévio sobre as condições ecológicas em que a instalação de novos indivíduos ocorre naturalmente nestas populações. Este estudo prévio é fundamental para potenciar o sucesso das ações de conservação e para o urgente aumento das áreas de ocorrência desta comunidade sendo que servirá como estudo de referência para projetos futuros que contemplem a plantação desta espécie.

 

Ações de Conservação

As ações concretas de conservação do LIFE-Relict pretendem melhorar o estado de conservação e a função ecológica das relíquias da Laurissilva Continental. Com a implementação destas ações de conservação, prevê-se aumentar a área de ocorrência do habitat através do restauro de áreas adjacentes favoráveis, diminuir o impacto das principais ameaças à sua conservação e demonstrar metodologias e abordagens inovadoras para a correta gestão.

Ação C.1 – Recolha e propagação de material vegetativo

Esta ação pretende recolher e propagar o material vegetal necessário ao incremento e melhoria do estado de conservação das áreas de habitat alvo do projeto LIFE-Relict e servirão para a correta execução das ações seguintes de conservação, nomeadamente C2, C3, C4, C5 e C7. Neste sentido, irão ser recolhidas sementes de plantas autóctones caracteristicas destas comunidades de Relíquias da Laurissilva Continental em todas as áreas de intervenção do projeto.

Ação C.2 – Melhoria do estado de conservação das áreas efetivas de Azereiros 

Nesta ação serão executadas várias medidas de gestão, divididas em sub-ações que pretendem melhorar o estado de conservação das manchas já existentes de Azereirais (Prunus lusitanica subsp. lusitanicapertencentes ao habitat 5230*. Este conjunto de intervenções no terreno irão permitir o melhoramento do estado de conservação do habitat alvo de conservação do LIFFE-Relict e, simultâneamente, irão reduzir o risco de incêndio sendo esta uma das maiores ameaças que o habitat enfrenta atualmente.

Sub-ação C.2.1 – Recuperação dos caudais de alimentação do núcleo de Azereiros

As comunidades de Azereiros são favorecidas pela presença de alguma água e, consequentemente, para a sua preservação é necessário restabelecer os caudais de levadas, canais de condução de água. Para se conseguir alcançar este objetivo, será realizada a recuperação de uma levada de regadio tradicional já existente, que outrora alimentou o núcleo, mas que atualmente se encontra em mau estado de conservação.

Sub-ação C.2.2 – Controlo seletivo da vegetação

Será feito um controlo seletivo da vegetação com corte de espécies heliófilas (que gostam de muita luz) presentes nas áreas de interveção do projeto. Esta ação pretende controlar a competição, favorecendo o crescimento e a propagação do P. lusitanica e, simultaneamente, diminuir a propagação e risco de incêndio dentro das áreas do habitat.

Sub-ação C.2.3 – Melhoria da estrutura do habitat, através de plantações dirigidas

As manchas de habitat mais degradadas e com baixa cobertura de espécies características do habitat 5230* serão reforçadas através de plantações, com recurso às plantas propagadas na Ação C1. Neste sentido, esta ação pretende melhorar e reforçar a estrutura das relíquias da Laurissilva Continental nas áreas de intervenção do projeto.

Ação C.3 – Melhoria do estado de conservação das áreas efetivas de Adelfeiras 

Nesta ação serão executadas várias medidas de gestão, divididas em sub-ações, que pretendem melhorar o estado de conservação das manchas já existentes de Adelfeirais, (Rhododendron ponticum subsp. baeticum) pertencentes ao habitat 5230*. Este conjunto de intervenções no terreno irão permitir o melhoramento do estado de conservação do habitat alvo de conservação do LIFFE-Relict e, simultâneamente, irão reduzir o risco de incêndio sendo esta uma das maiores ameaças que o habitat enfrenta atualmente.

Sub-ação C.3.1 – Controlo seletivo da vegetação

Será feito um controlo seletivo da vegetação, nos moldes já referidos na sub-ação C2.2, com corte de espécies heliófilas (que gostam de muita luz) presentes nas áreas de interveção do projeto.Esta ação pretende controlar a competição, favorecendo o crescimento e a propagação do R. ponticum e, simultaneamente, diminuir a propagação e risco de incêndio dentro das áreas do habitat.

Sub-ação C.3.2 – Melhoria da estrutura do habitat, através de plantações dirigidas.

As manchas de habitat mais degradadas e com baixa cobertura de espécies características do habitat serão reforçadas através de plantações, como já descrito na ação C.2.3. Estas serão sobretudo de R. ponticum mas também de outras espécies características do habitat 5230*. Neste sentido, esta ação pretende melhorar e reforçar a estrutura das relíquias da Laurissilva Continental nas áreas de intervenção do projeto.

Ação C.4 – Incremento da área de habitat de Azereiros

Através de um conjunto de sub-ações, pretende-se expandir significativamente as áreas de ocorrência de azereiro, fomentando o seu restabelecimento nas áreas potenciais de ocorrência natural. Esta ação permitirá incrementar a área efetiva de ocorrência do habitat 5230*, que segundo o 3º Relatório Nacional de Aplicação da Diretiva Habitats (2007-2012) é “desfavorável” em Portugal. Do ponto de vista da conservação, esta medida é importante para as comunidades de P. lusitanica, devido à fragmentação, fraca representatividade e estado de degradação em que se encontram atualmente na Península Ibérica, com reduzidas possibilidades de expansão.

Sub-ação C.4.1 – Controlo seletivo da vegetação

Será feito um controlo seletivo da vegetação com corte de espécies heliófilas (que gostam de muita luz), presentes nos territórios potenciais de ocorrência do habitat. Tal permitirá fomentar as espécies caracteristicas deste bosque e, simultaneamente, diminuir a propagação e risco de incêndio no território. As intervenções serão feitas salvaguardando a proteção do solo e a regeneração natural de espécies arbóreas ou de espécies características das comunidades-alvo.

Sub-ação C4.2 – Plantações

A expansão dos núcleos  de Azereiros será feita com recurso a plantação, nos moldes já descritos para a sub-ação C.2.3.

Sub-ação C4.3. Controlo das espécies exóticas não invasoras

Serão implementadas medidas de controlo de espécies exóticas não invasoras, de forma a melhorar o estado de conservação do habitat localmente. Assim, serão removidos pinheiros e eucaliptos existentes nas áreas de intervenção do projeto.

Ação C.5 – Incremento da área de habitat de Adelfeiras

À semelhança da ação C4, esta ação pretende-se expandir significativamente as áreas de ocorrência de Adelfeiras, fomentando o seu restabelecimento nas áreas potenciais de ocorrência, através de um conjunto de sub-ações. Esta ação permitirá incrementar a área efetiva de ocorrência do habitat 5230*, que segundo o 3º Relatório Nacional de Aplicação da Diretiva Habitats (2007-2012) é “desfavorável” em Portugal. Do ponto de vista da conservação, esta medida é especialmente importante para as comunidades de R. ponticum uma vez
que, como referido no capítulo das ameaças, se encontram em risco devido à alarmante incapacidade de instalação de plantas de origem seminal.

Sub-ação C.5.1 – Controlo seletivo da vegetação

Será feito um controlo seletivo da vegetação nos mesmos moldes já descritos para a sub-ação C.4.1.

Sub-ação C5.2  Plantações

A expansão dos núcleos de Adelfeiras será feita com recurso a plantações, nos moldes já descritos para a sub-ação C.2.3.

Sub-ação C5.3. Controlo das espécies exóticas não invasoras

Serão implementadas medidas de controlo de espécies exóticas não invasoras, de forma a melhorar o estado de conservação do habitat localmente, à semelhança da ação C.4.3.

Ação C.6 – Controlo de espécies exóticas invasoras

Em algumas áreas de intervenção do projeto verifica-se a presença de uma superfície onde ocorrem duas espécies com grande poder invasor, nomeadamente, a Acacea dealbata e a Hakea sericea. Dada a ameaça que estes núcleos constituem para a preservação do habitat 5230*, esta ação pretende implementar medidas de controlo destas espécies exóticas invasoras.

Esta ação é essencial para a preservação das Relíquias da Laurissilva Continental, pois tentará controlar as espécies exóticas invasoras existentes, alcançando deste modo o objetivo de aumentar a área de ocorrência deste habitat, através do restauro de áreas adjacentes favoráveis

Recorde-se que as espécies exóticas são hoje consideradas uma forte ameaça à biodiversidade, sendo o seu controlo referido como de especial importância em vários documentos estratégicos nacionais e europeus, tais como a Estratégia Nacional da Conservação da Natureza e Biodiversidade e Horizonte 2020.

 

 

Ações de Monitorização

Ações de Sensibilização