Ameaças

  • Fogo  

Esta é uma das ameaças mais graves ao habitat em Portugal. À semelhança do que acontece em toda a região mediterrânica, o fogo é um fenómeno recorrente na Península Ibérica devido ao tipo de vegetação existente e, sobretudo, às inúmeras pressões antrópicas a que o território está sujeito.

A situação limite em que se encontram os Azereirais e as Adelfeiras, com populações muito isoladas, fragmentadas e de carácter finícola, torna o fogo uma das ameaças mais graves à permanência futura destas formações no continente europeu. O fogo é responsável pela destruição efetiva do habitat, pela perda de biodiversidade e, também muito importante, pelo empobrecimento das condições edáficas que condicionam a reinstalação deste mesmo habitat numa situação pós-fogo.

Acresce ainda o facto de nos territórios alvo deste projeto, o fogo ser uma constante, que consome anualmente centenas de hectares de Floresta. Por exemplo, na área da Serra da Estrela, envolvente à aldeia de Casal do Rei, a mata de azereiro ardeu em 2005, destruindo por completo este emblemático Azereiral, ao qual a população local chamava de “o nosso jardim”. Este exemplo, torna bem visível a necessidade de proteger e conservar as restantes áreas de habitat, de forma a assegurar a sua preservação futura.

No caso particular dos Adelfeirais de Rhododendron ponticum, ainda que tenha a capacidade de regenerar vegetativamente, a composição florística e a função ecológica do habitat são severamente afetados após o fogo. Esta situação é particularmente agravada quando há recorrência de incêndios e a consequente alteração das condições edáficas locais. A redução da espessura e da capacidade de retenção de água do solo conduz ao progressivo desaparecimento de R. ponticum, por falta de condições de instalação (Mejías et al, 2002 e 2007).

O Life-Relict pretende reduzir o risco de incêndio através da execução de medidas preventivas, que impeçam a rápida progressão do fogo. Estas passam pela eliminação de espécies pirófitas em todos as áreas de intervenção do projeto e a reconversão das áreas envolventes para bosques de folhosas, de forma a criar zonas tampão que retardem a propagação do fogo. Também a remoção de espécies exóticas e a consciencialização da população local, deverão contribuir para a redução do risco e periodicidade de fogos.

 

  • Limitada Capacidade de Instalação de Novas Plantas

Estudos levados a cabo nas populações espanholas de Adelfeirais (R. ponticum) indicam que estas comunidades quase não apresentam sucesso no estabelecimento natural de novas plântulas, ainda que as sementes sejam abundantes e a dispersão feita pelo vento (Mejías et al., 2002). Esta situação terá origem na falta de condições climáticas adequadas à instalação de novas plântulas, em particular os períodos secos que caracterizam o clima Mediterrâneo.

Como consequência, as populações atuais são constituídas quase exclusivamente por indivíduos adultos que provêm de regeneração vegetativa. Esta situação leva à diminuta capacidade de expansão dos núcleos existentes e da criação de novos núcleos. As consequências desta conjuntura poderão ser graves a médio prazo, com a morte generalizada dos indivíduos, tornando os núcleos existentes ainda mais importantes para a sobrevivência da espécie, e respetivo habitat, nos territórios ibéricos.

Tendo conhecimento desta circunstância, o projeto Life-Relict incluiu ações de incremento da área de ocorrência do habitat. Para isso será posta em prática e testada uma série de alternativas que permitirão tirar conclusões sobre a melhor prática para a instalação de novas plântulas e o incremento das áreas de habitat.

 

  • Espécies Exóticas Invasoras

Consideradas como a segunda maior causa de perda de biodiversidade a nível global (Marchante, 2005), são também um fator de degradação importante nas áreas de intervenção do projeto. As espécies exóticas invasoras mais preocupantes nas áreas de intervenção do projeto são a acácia (Acacia dealbata) e a háquea (Hakea sericea).

Estas espécies exóticas invasoras afetam os Adelfeirais e Azereirais a vários níveis, nomeadamente:

1 – Competem com a vegetação local, levando à degradação progressiva das comunidades nativas e à limitação da sua área de ocupação;

2 – São ameaças graves à integridade e à manutenção da função ecológica das formações existentes;

3 – Indiretamente, aumentam o risco e a periodicidade de incêndios;

4 – Impossibilitam também a expansão dos núcleos de habitat existentes para as áreas por elas ocupadas.

O Life-Relict pretende combater as espécies invasoras existentes nestes territórios através de medidas que visam a sua deteção e controlo, numa tentativa de erradicação.

 

  • Intervenções Silvícolas Inadequadas

Durante os últimos séculos, os territórios potenciais dos Adelfeirais e Azereirais sofreram grandes pressões impostas pelo homem, incluindo pressões silvícolas, com consequências que se perpetuaram até à atualidade. Entre elas destaca-se a plantações de um conjunto de espécies florestais (sobretudo pinheiros e eucaliptos), associadas a arroteamentos de solo. As plantações, nomeadamente de eucalipto continuam a ser uma realidade sobretudo na zona Norte do país.

Estas intervenções levam ao desaparecimento e decadência dos núcleos de habitat anteriormente existentes e contribuem atualmente para um quadro de empobrecimento do estado de conservação do habitat 5230*. A presença de áreas de pinheiro ou eucalipto no seio das manchas de outros habitats potenciam fenómenos de halelopatia ou podzolização do solo, condicionando a instalação de espécies nativas. A este fator de degradação acresce o aumento da incidência de fogos florestais e perdas importantes de solo (decorrentes dos arroteamentos, fogo, etc.).

O projeto Life-Relict pretende melhorar a qualidade do habitat, removendo da sua área espécies externas ao sistema e tentando minimizar o risco de incêndio.

 

  • Alterações Climáticas

Diversos estudos têm sugerido que as comunidades relíquias da Laurissilva presentes no continente europeu, incluindo as comunidades de Adelfeirais (R. ponticum subsp. baeticum), têm reduzida capacidade de resposta frente a eventos negativos como as alterações climáticas (Mejías et al, 2002, Calleja et al., 2009). Este facto deve-se a um conjunto de circunstâncias encabeçadas pelos requerimentos climáticos, populações reduzidas e isoladas entre si, bem como a contínua pressão antrópica, típica da região mediterrânea.

As previsões climáticas para a Península Ibérica põem em risco a sobrevivência da espécie neste território, uma vez que as já raras e fragmentadas populações existentes, poderão ver os seus nichos ainda mais reduzidos (Mejías et al., 2002 e 2007; Calleja et al., 2009). Simultaneamente, as alterações climáticas são capazes de potenciar, em simultâneo, todos os outros fatores de risco mencionados anteriormente.

Sendo o principal objetivo deste projeto, a melhoria do estado de conservação do habitat, todas as ações de conservação previstas vão no sentido de melhorar a qualidade dos núcleos populacionais, numa tentativa de melhorar a resiliência do sistema frente às alterações climáticas, potenciando a sua capacidade de sobrevivência. Para além disso, o projeto Life-Relict tem ainda como um dos principais objetivos o aumento da área do habitat, o que se espera aumentar a capacidade de sobrevivência futura deste habitat.

 

  • Outras Ameaças

Para além das ameaças já mencionadas, encontram-se ainda descritas outras ameaças que se consideram pouco relevantes nas áreas de intervenção do projeto Life-Relict mas que são potenciais ameaças, tais como: destruição física através da exploração de inertes e por exploração agrícola; abertura de caminhos; descarga de efluentes; excesso de trânsito pedonal; e corte para fins ornamentais.