Azereirais

Os bosques de azereiro (azereirais)

O azereiro (Prunus lusitanica subsp. lusitanica) é uma árvore rara, nativa da Península Ibérica, Pireneus franceses e Norte de África, considerada em Perigo de Extinção pelo IUCN.

Esta árvore pertence à mesma família das rosas e é considerada uma relíquia paleotropical, ou seja, terá feito parte da vegetação de folha persistente e lauroide (Laurissilva) que ocupou a Península Ibérica durante a época Terciária, quando aqui existia um clima do tipo sub-tropical. As alterações geológicas que tiveram lugar no final do Terciário e durante o Quaternário, que levaram à instalação do clima mediterrâneo na Península Ibérica e a períodos críticos de arrefecimento, foram responsáveis pelo quase desaparecimento da floresta de Laurissilva peninsular. Contudo, alguns dos seus elementos conseguiram sobreviver, refugiando-se em territórios com clima muito especial (climas húmidos e não muito frios, pouco afetados por geadas), onde permanecem até à atualidade.

As comunidades nativas de azereiro, os azereirais, são muito raros. Estão presentes de forma muito pontual na Península Ibérica, onde se encontram, na maioria dos casos, em mau estado de conservação. Em Portugal podem ser encontrados em alguns vales encaixados do centro e norte de Portugal, em zonas com importante precipitação no estio, que em algumas situações é compensada pela presença de nevoeiros durante o Verão.

A União Europeia reconheceu a importância de preservar os azereirais e integrou-os num habitat de Importância Comunitária, prioritário para a conservação.